Koselig, comida e chuva de minhoca.

Mais uma semana começando e temos mais um “favoritos do face“. Tô achando que vou passar essa coluna para uma sexta-feira. Faz mais sentido ser no fim da semana e não no começo, né? Estou ainda me ajustando a essas ideias de colunas e tudo mais. A verdade é esse blog é construído junto com vocês lendo. Toda vem que penso em desistir de escrever, vem alguém e faz um elogio, ou diz que gostou e aí vou continuando… Enquanto alguém mais além da minha mãe e do meu pai continuarem lendo eu vou escrevendo.

Continuar lendo

Áudio

Silja Sol :: Traduzida

Para a música traduzida de hoje eu escolhi a Silja Sol. Desde que cheguei aqui sempre vejo posteres dela espalhados pela cidade o que me fez achar que ela era famosa por aqui. Não estava errada, mas a verdade é que ela estava lançando seu primeiro álbum que foi muito aclamada pelos críticos locais, sendo chamada até de “melhor artista do mundo em Bergen”. Nada mal para um primeiro disco né? O álbum ainda contou com a ajuda de Kato Ådland que produziu também o pessoal do Datarock e Sondre Lerche.

Esse ano ela toca por aqui no Bergen Fest, no domingo, dia 14 de junho no mesmo dia que Death Cab for Cutie. Resta aquela velha pergunta: será que o show é tão bom quanto o cd?

Silja SolNoen

SiljaSol

A Burocracia Norueguesa – emigrando para Noruega.

Todo mundo que vem para a Noruega, e quem mora aqui também, reclama da tal burocracia norueguesa. Minha tese é que os noruegueses reclamam porque nunca ouviram falar da burocracia brasileira. E os brasileiros – bem, a gente sempre reclamam de tudo – reclamam porque não existe ninguém com quem eles podem falar para acelerar o processo.

Continuar lendo

A semana no Face

Fim de semana foi de passeio de bike até a cidade e de muita zica: me estatelei no asfalto no sábado e no domingo fui infeliz na aventura gastronômica e pra bom entendedor meia palavra basta.

Enquanto tomo forças para escrever o próximo post sobre nossos passeio de bikes e as ciclovias de Bergen  deixo com vocês o que fez sucesso na página do Facebook. Durante a semana eu postei lá diversos links, uns falavam sobre curiosidades dos hábitos noruegueses, outros sobre a difícil decisão de sair do pais ou até mesmo ensinando a como falar palavrão em norueguês. Compartilho agora no blog os tópicos que mais tiveram comentários no face.

Continuar lendo

Áudio

Aula de Norueguês – Tradução

Como eu já falei por aqui antes, norueguês não é difícil de aprender. O problema maior é a pronuncia: acertar os fonemas é que complica. As aulas em sí também não são as mais legais do mundo, mas é aquela coisa, tem que aprender, né? Eu odiava ir para minhas aulas de inglês, mas hoje agradeço o tanto que minha mãe pegou no meu pé.  E se você, como eu, fez inglês em algum cursinho, provavelmente sua professor(a) em algum momento da aula escolheu uma música para vocês ouvirem e traduzirem. Era ótimo porque o professor fingia que não dava aula e você aprendia sem perceber. Lembro de aprender “A day in Life” dos Beatles, e “Borderline” da Madonna, e muitas música do Roxette.

Continuar lendo

Não tem carnaval mas tem páscoa. 

A páscoa é um dos feriados mais importantes da Noruega. É tão importante quanto o Natal e só fica atrás do Dia Nacional, comemorado dia 17 de maio. É o primeiro feriadão do ano: são cinco dias e meio de folga que começa no meio da quarta-feira, pré “sexta-feira santa”, e vai até segunda seguinte, pós domingo de páscoa. Essa época também marca o início da primavera e, com ela, o fim dos dias escuros, frios e chuvosos (se você não mora em Bergen) e o fim da época de esquiar. Por isso muitos viajam para os “fjels” (montanhas), “gå på ski” (vão esquiar) ou simplesmente relaxar na sua “hytte”, a casa de “campo” deles. Por conta disso a cidade fica deserta. Fica tão deserta que no domingo de páscoa o jornal local até publicou no facebook uma foto do centro cidade vazio com o título “Kom hjem, bergensere! Vi savner dere” ou e bom português “Voltem para casa, Bergenses, estamos com saudades”.

Continuar lendo

Nordic Noir

Sou viciada em séries de tv e filmes. Viciada mesmo, do tipo vejo tudo nem que seja um episódio só pra ter uma opinião. Mas o que gosto mesmo são de dramas. E uso meu trabalho como desculpa e transformo esse “guilty pleasure” em “referências de novas linguagens”. Referência é tudo, né? Então vejo tudo e, hoje em dia, não me sinto mais culpada.

De uns dois anos para cá, muito por influência do Bjørn, tenho assistido muito série e filme escandinavo, claro. E é impressionante como a linguagem deles é diferente do que a gente tá acostumado, principalmente se você pensa na receita americana de storyrelling: e eles viveram felizes para sempre. A fotografia também é outra, até talvez porque o próprio clima daqui seja diferente. E bem mais dark do que estamos acostumados. A edição não fica atrás com planos mais longos e mais descritivos e com menos falas.

Continuar lendo

Vídeo

O “ó” tem som de “u” – på norsk

Não é que aprender norueguês seja difícil, mas não é fácil também.

O fato de todo mundo falar inglês é uma enorme barreira. Por mais que eu queira exercitar o que aprendi, meu vocabulário é curto, uma vez que faz apenas três meses que estou aprendendo. Assim, quando vou a uma loja, por exemplo, começo com norueguês, mas quando chego na terceira frase eu já gastei todo meu vocabulário, já estou suando e gaguejando, não resisto e “then I start to speak in english” . E aí a conversa curta do meu pobre e mal conjugado norueguês se transforma. Os próprios noruegueses não tem muita paciência. Acham lindo que você esteja se esforçando pra aprender um língua confinada a um país, mas depois de dois minutos já voltam a falar com a velocidade normal e isso torna impossível você entender algo.

Aliás, ouvir é muito difícil. Todo mundo diz que eu e minhas amigas falamos rápido, então, claro que eu também acho que aqui eles falem rápido, mas o pior problema não é nem esse, é que, mais uma vez, como eu não domino a língua, além do sotaque, eles vão juntando palavras e mais palavras e formando uma outra. É como uma casa de verão na praia. Aqui seria algo como casadeverãonapraia, só que com muitos mais “k’s”, “ø’s” do que no Brasil. Por exemplo, batedeira aqui é a união das palavras “cozinha = kjøkken” e “máquina= maskin”ou kjøkkenmaskin. De novo, não é que seja difícil, mas primeiro você leva um susto com a quantidade enorme de consoantes, ai depois você entende que são duas palavras, aí você traduz. Então você perdeu quase um minuto em uma palavra. Até aqui meu texto já possui 287 caracteres. Imagina num diálogo?

E o que são os ditongos daqui? Mas pra aprender os ditongos é bom saber as vogais: A E I O U Y Æ  å ø (não consegui nem achar como colocar essas duas últimas em caixa alta no teclado). O “a” e o “é” são as mesmas coisas. Mas ó tem som de ú!!! E o “æ” é o som de uma ovelha berrando (exatamente assim que me ensinaram), o “å” tem som de “ô” e “ø” parece “oa”. Agora os ditongo: ei, au, øy, ai e oi. Lembrou de tudo?

Por isso que eu disse que mesmo não sendo difícil não é muito fácil. Eles não tem não muitas palavras, como os franceses mas os verbos não são fáceis quanto os ingleses. E um coisa me me perturba profundamente: alguém sabe me dizer porque em norueguês quase não tem palavras que começam com a letra “c”? Já olhei dicionários gigantescos e o número de paginas não passa de duas ou três no máximo, e a maioria das palavras são de origem inglesa. Vai saber…

E vai um vídeo nosso passeando aqui perto de casa 🙂 É o primeiro vídeo, então ainda está bem simples.

A música é da banda norueguesa Kråkesølv e chama “Ikke rart vi blir sprø“.